sexta-feira, 9 de maio de 2014

Parabéns Pitanga!

Ontem fiz anos! 37 anos!

Ao contrário dos outros aniversários, este ano a comemoração foi especial e, de agora em diante, sempre será muito melhor!

As "festividades" começaram por volta da 1h15, quando a perda de líquido amniótico ditou a necessidade de marcar presença no hospital.

Chegada ao destino, fui informada que tinha 5 cm de dilatação e que o parto seria breve. Sr. Marido que cortava a madrugada, vindo de Évora, transpondo largamente todos os limites de velocidade que as regras de estrada e do bom senso impõem, corria o sério risco de conhecer este Filho muito após o nascimento.

Quando chegou, embora ainda em tempo, já esta que vos escreve se contorcia com dores, as físicas e as da revolta de saber que não teria direito a qualquer epidural!

É nestes momentos que se vê o país que temos! Portugal é sem dúvida um país terceiro mundista, de gente com grandes dificuldades em estabelecer prioridades de interesse comum e distinguir o essencial do acessório!

Em Portugal, no reino dos Algarves, em pleno séc. XXI, se tivermos a pouca sorte de entrar em trabalho de parto entre a meia-noite e as 9h00, voltamos às cavernas, pare-se como animais, a sofrer dores tão intensas e profundas que nos levam a calma, a compostura, o auto-controle e, sobretudo, a dignidade!

Valeram-me a paciência,o carinho e o esforço dos profissionais presentes, e obviamente do meu homem que me apertava a mão, para que o nascimento do meu segundo Filho não se tivesse transformado no maior trauma da minha vida.

O F. nasceu às 5h15, do dia 08/05/2014 e com ele recuperei a minha alegria do costume!


8 comentários:

  1. Milhões de parabéns!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  2. Eu achava estranho a Pitanguinha não escrever aqui nada... Mas prontes! Parabéns miúda! 2 vezes! Uma pelos 37 (olha que número tão respeitoso...) e outra pelo F.

    Já agora, quando puderes, elabora aí um mini post a explicar o motivo de não teres tido direito a epidural e porque é que entre a meia noite e as nove da manhã, no reino dos Algarves e em pleno século XXI, isso acontece. Fiquei curioso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É simples, não há dinheiro para pagar horas extras aos médicos anestesistas!

      Eliminar
  3. Eh pá... Fico tão feliz!! Parabéeeeeeeeens! Dá-me dois minutos e passa lá em casa! :)

    ResponderEliminar
  4. eu da minha filha também não levei epidural, por acaso foi um bocado traumatizante e depois quando a anestesista chegou e lhe disseram que já tinha nascido a bébé ela nem se dignou a vir ter comigo e pedir desculpa...mas enfim...já passou e o que interessa são os nossos filhos!
    :)

    ResponderEliminar